Saiba como se proteger quando a internet é usada contra você


Com um protagonismo incalculável, a internet faz parte da vida das pessoas e tem cada vez mais conquistado adeptos por romper barreiras sociais, culturais e também geográficos de forma barata economicamente e ágil. No entanto, esses são alguns dos fatores que permite que o algumas pessoas possam usar e destinem a internet para prejudicar ou melhor se beneficiar em prol dos outros. Conversamos com o jornalista e advogado Especialista em Direito Eletrônico e membro da ANPPD - Associação Nacional dos Profissionais de Privacidade de Dados, Philipe Gustavo Portela Pires, a fim de esclarecer como você pode cuidar seus dados dentro da rede e prevenir-se de golpes.


FredMagazine: Como a internet pode ser usada contra nós

Philipe Gustavo Portela Pires: Hoje os dados contidos nas informações de nossos cadastros em sites, redes sociais e nos próprios dispositivos como celulares, como nome, endereço, e-mail, telefone, geolocalização, nº de cartão de crédito, IP (identificação de conexão de um dispositivo na rede), testemunho de conexões (cookies), se estiverem de posse de uma pessoa que não o seu detentor real, ela poderá ser utilizada tanto para falsos cadastros, como para realização de compras para outra pessoa, sendo identificado o responsável mas não o consumidor real, além de que esses dados podem facilitar sequestros, assaltos e muitos outros crimes que precisam dessas informações para serem bem executados. Em um resumo, a internet pode permitir acesso à informações que facilitam a prática de diversos crimes.


FredMagazine: O que podemos considerar crimes virtuais?

Philipe Gustavo Portela Pires: Furto de Informações Sigilosas dos Usuários (logins e senhas de sites e bancos);

Uso de Identidades e Perfis Falsos com finalidade maliciosa (Falsidade Ideológica ou uso indevido de imagem);

Distribuição de Vírus e Aplicativos Maliciosos, visando prejudicar outros usuários (moral e financeiramente, sequestro de dados que serão liberados mediante pagamento);

Ameaças a vida e integridade físicas de terceiros;

Envio de e-mails maliciosos;

Sites de lojas virtuais falsas;

Divulgação de fotos e vídeos íntimos de terceiros sem autorização (vingança pornô, cyberbullying, exposição ao ridículo);

Entre tantos outros, que ocorrem por meio da rede em sites, jogos, redes sociais, aparelhos, mas principalmente sempre teremos uma pessoa de cada lado da ponta da conexão uma que agride/afeta e outra que sofre.


FredMagazine: Como eles podem afetar nossa vida?

Philipe Gustavo Portela Pires: Na maioria das vezes os danos costumam ser econômicos, por perderem valores financeiros ou terem bens eletrônicos danificados e até mesmo gastarem dinheiro para recuperar dados, como na maior proporção dos crimes virtuais o dinheiro é ainda a maior perda, mas o lado psicológico é certamente o pior, desde a questão do medo, ansiedade, insegurança, entre outros sentimentos que as vítimas relatam ficar tempos até conseguir controla-los, além dos casos de depressão que fazem algumas pessoas tirarem a própria vida, afinal como por exemplo os casos de exposição de nudez dificilmente fazem as pessoas poderem retornar o "normal" de suas vidas.


FredMagazine: Como prevenir de cair nesses golpes digitais?

Philipe Gustavo Portela Pires: Evitar expor dados que não precisam estar na rede, manter o computador atualizado, alterar suas senhas com frequência, utilizar autenticadores e duplo fator de autenticação, usar antivírus e firewall (preferencialmente pagos para ter mais garantias) e estar atento a qualquer ato ou fato suspeito em suas redes é o básico.


FredMagazine: Há uma lei que regula os meios digitais?

Philipe Gustavo Portela Pires: Algumas leis no mundo atingem a todos usuários da rede, dependendo do que acessam, mas no Brasil temos como principal o Marco Civil da Internet que é a Lei nº 12.965/2014, que regula o uso da Internet no Brasil por meio da previsão de princípios, garantias, direitos e deveres para quem usa a rede, bem como da determinação de diretrizes para a atuação do Estado e a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) Pessoais, Lei nº 13.709/2018, é a legislação brasileira que regula as atividades de tratamento de dados pessoais, que essa última afetará muitas empresas que precisarão se adequar para não sofrerem sanções e ela foi adiada após a pandemia do Corona para ter sua validade a parir de 01 de janeiro de 2021.


FredMagazine: Como podemos nos defender quando somos vítimas de crimes digitais?

Philipe Gustavo Portela Pires: Primeiro é ter calma e não tomar decisões precipitadas para que o crime não gere uma exposição maior ou que o criminoso possa apagar as pistas dificultando a investigação.

Segundo tire prints, no celular e no computador, salvando as informações e a tela ou cena do crime.

Terceiro é comunicar a sua família ou um amigo, para que ele possa te ajudar a testemunhar e verificar tudo, já que muitas vezes quando estamos abalados acabamos não percebendo algumas coisas.

Quarto é registrar um Boletim de Ocorrência (BO) na delegacia de polícia civil mais próxima e procurar auxílio de um profissional capacitado, um advogado que poderá acompanhar você em todas as etapas anteriores.

Creio que a internet é ainda muito mais para o bem do que para o mal, e que se estivermos unidos e conscientes teremos cada vez mais segurança em utilizar esse espaço.

Saiba mais @epilihp

Contato

(55) 9 9941 1161  - contato@fredmagazine.com.br

  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon

RS 591, N° 200, Jardim Primavera
Frederico Westphalen/RS